100%

Vereadores de situação e oposição voltam a divergir sobre mudança da Secretaria de Saúde

A mudança de endereço para um único endereço da Secretaria de Saúde e da Farmácia Municipal em Concórdia, foi novamente motivo de debate na última sessão Ordinária da Câmara de Vereadores, na manhã desta quinta-feira, 5. A discussão passou pela importância de se construir imóveis próprios, o valor da venda da antiga sede e a polêmica criada nas redes sociais com o valor dos alugueis, que acabou por “puxar” outros assuntos para o debate.

Mauro Fretta (PSB) comentou sobre os valores da venda do imóvel da Secretária de Saúde, que na época, em 2015 foi vendido por R$ 1,9 milhão para o Hospital São Francisco. “Foi feita a venda do terreno, foi aplicado o dinheiro e não se tinha o planejamento e o valor necessário para a construção da nova sede, foi irresponsável, porque bem ou mal não havia o pagamento do aluguel”, disse ao comentar que a “farra dos alugueis começou ainda no governo anterior e no caso da Saúde, teve a autorização da Câmara para época para a venda”.

Fretta também lamentou a “espetacularização” pela sua consideração sobre o assunto na tribuna ontem. Para ele, mesmo sendo vereador da base governista, “considera que tem o direito de divergir das demais e é para isso que a democracia é feita”.

Closmar Zagonel (MDB) disse que, realmente, “a situação dos alugueis começou lá atrás e continua”. Para ele, a venda do imóvel só poderia ter sido feita quando o edital de licitação para a construção da sede própria tivesse sido lançado. “Do jeito que foi feito foi uma vergonha”, comentou.

O líder da bancada do PT, André Rizelo, discordou das considerações de Fretta. Disse que em 2016, o juro mensal do valor depositado era de R$ 18.650,00 e o aluguel pouco mais de R$ 13 mil, o que então daria para pagar o aluguel e o condomínio e sobraria dinheiro. O vereador comentou também que não estaria claro quanto que se pagaria pela nova área alugada.

Claiton Casagrande (PR), também lamentou o uso do termo “farra dos alugueis”. Para ele existem diversos questionamentos sobre a venda do imóvel, antes de se construir a nova sede. “Fica difícil para a população assimilar a venda sem um outro construído”, ressaltou que o atual local também não é adequado para atender a comunidade e a mudança vai permitir o agrupamento de diversos serviços no mesmo lugar, gerando maior comodidade para a população.

Sobre a estrutura do Senai, Casagrande enfatizou que o local ficou fechado por 18 meses na administração do governo do PT e agora há 16 meses na atual gestão. Ele informou que em breve será realizado o uso do espaço por secretarias do governo.

“Continuar passando vergonha sempre para atender bem a população”
O líder do governo, Fabiano Caitano (PSDB), tranquilizou Fretta sobre a opinião discordante sobre a mudança do local. Ele explicou que é possível mudar as faixas de pedestre e organizar o transito no local, ao justificar um dos motivos para a mudança. “nós vamos conseguir centralizar todo o serviço, além disso,  o local fica mais perto das clínicas, laboratórios e exames, além de entender a importância de se entender a questão da acessibilidade do local”, comentou.
Caitano disse ainda que “não é vergonha o dinheiro render no banco”. Ressaltou que a Secretaria de Saúde, a Farmácia Municipal e o Centro de Abastecimento Farmacêutico, no mesmo lugar irão custar R$ 18,5 mil aos cofres públicos, enquanto que agora, separados custam R$ 21 mil. “Se é vergonha fazer economia, passe essa vergonha sempre Secretário”, afirmou ao referir-se ao gestor da Saúde, Sidinei Schmidt que assistia a sessão no Plenário da Câmara.
Para ele, “vergonhosa é a posição do vereador Edno, que fazia parte do governo antigo, como superintendente da Fundema e não se manifestou contrário à venda do imóvel e que agora nas redes sociais crítica o valor dos alugueis pagos”.
Edno Gonçalves (PDT) rebateu o comentário de Caitano. Disse que a internet é uma ferramenta importante para divulgar o trabalho. “Tenho orgulho de dizer que fiz parte do governo Girardi, mas não é porque se faz parte se concorda com tudo. Mas não tínhamos nenhuma cadeira aqui nesta Casa quando foi votado o projeto. Além disso, gostaria de saber se todos os vereadores da base também concordaram com a compra do carro do prefeito”, disse ao comentar ainda que a Fundema também pagava aluguel na época e que, ele enquanto gestor havia pedido providências para uma construção de sede própria.

“Passos para a construção de um imóvel”
Evandro Pegoraro (PT) tentou amenizar a discussão no sentido que “foi dado um passo para sair do aluguel com a venda do imóvel, mas é preciso continuar a caminhada, apesar de reconhecer que não é de uma hora para outra que se consegue construir um prédio com um volume de recursos em que se precisa mais de R$ 10 milhões”. Ele também comentou sobre o pedido de informação sobre o pagamento de aluguel do espaço utilizado pela Fepese na Rodoviária Municipal.
Anderson Guzzatto, líder da bancada do PR, comentou que todos que dependem do aluguel trabalham para ir para o espaço próprio. No entanto, nesta situação foi ao contrário, segundo Guzzatto ao citar uma reportagem com declarações do ex-secretário de Saúde, que disse que a venda do imóvel era para construir a sede própria.
“Faltou planejamento da antiga administração. Agora quero ver a gente voltar lá e comprar lá o mesmo espaço com o valor pago na época e com o juro. Senão tivesse sido vendido, bem ou mal era um aluguel a menos pra pagar. Hoje não se tem nem garagem para os carros da saúde, e eles ficam no Estádio e na rodoviária municipal”, destacou ao defender a mudança do local por ficar mais perto dos consultórios, do hospital.
Para ele, não é “farra”, mas um trabalho constante para reduzir custos, renegociar contratos e melhorar o atendimento para a comunidade. “Além desta mudança, a sede do Senai também irá abrigar uma secretaria. Outra mudança será na Assistência Social, com uma redução no custo de R$ 4 mil por mês no aluguel”, ressaltou Guzzatto.

“Decisão foi contestada”
O presidente da Câmara de Vereadores, Artêmio Ortigara (PR), falou em nome dos legisladores que acabaram por aprovar o projeto da venda do imóvel da Saúde. “Apesar da votação, eu e o então vereador Massocco fizemos duras críticas a maneira como estava sendo conduzido o processo”, recordou e sugeriu que os vereadores que se manifestaram como “farra dos alugueis”, deveriam pedir desculpas para a sociedade por levar informações inverídicas para a sociedade.
Ortigara também comentou “que se para fazer gestão primeiro deveria ter sido construído e depois vendido, porque agora não é possível recomprar pelo mesmo valor”. Ele também citou que em ano eleitoral, o contrato de recolhimento de lixo (agosto de 2016) teve um reajuste de 31%. “Agora estamos renegociando os contratos e reduzindo os custos”, afirmou.
Sobre a compra do carro, Ortigara lembrou que em 2009 o governo do PT comprou um carro modelo Captiva para o gabinete do prefeito no valor de R$ 109 mil e um veículo Línea para o gabinete do vice, no valor de R$ 60 mil. “Hoje os valores atualizados a Captiva custaria R$ 190 mil e o Linea 100 mil. A população sabe o que aconteceu com estes carros em 6 anos? O Línea foi vendido com bem inservível e o custo para consertar a Captiva era maior do que o valor de mercado. Quem de nós compra um carro novo e em 6 anos vende pro ferro velho? Isto é fazer gestão pública?”, disparou ao divulgar as informações.
Como presidente da Câmara, reforçou para os vereadores que eles tenham responsabilidade ao divulgar informações para a sociedade de forma verdadeira e transparente.
 
Protocolos desta Publicação:Criado em: 05/04/2018 - 11:49:11 por: Divaleia Salete Casagrande - Alterado em: 05/04/2018 - 11:49:11 por: Divaleia Salete Casagrande

Notícias

Dia do Gaúcho é lembrado na Câmara de Vereadores
Dia do Gaúcho é lembrado na Câmara de Vereadores

Hoje, 20 de setembro, é comemorado o Dia do Gaúcho. A data foi lembrada na Sessão Ordinária, desta quinta-feira, na Câmara de Vereadores de Concórdia. “Ser gaúcho é um sentimento. É preservar tradições e culturas, comentou Fabiano Caitano, que relembrou a influência que teve por parte do pai.

Indicação sugere que município possa repassar recursos para escolas gerenciarem de forma direta para pequenas demandas
Indicação sugere que município possa repassar recursos para escolas gerenciarem de forma direta para pequenas demandas

Facilitar e dar mais agilidade para a direção das escolas municipais e também dos Cmeis de Concórdia com o repasse de recursos que possam ser utilizados para a execução de pequenos reparos nos educandários. Está é a sugestão do vereador Claiton Casagrande (PR) que sugere para que o município possa adotar o modelo de repasse àquele adotado pelo governo do Estado.