100%

Moção pede que governo do Estado reveja corte do valor das Bolsas do Artigo 170 que irá prejudicar 67 mil estudantes

O principal assunto da sessão desta segunda-feira, 9 de julho, foi o corte dos recursos financeiros estaduais que subsidiam o artigo 170, que concede bolsas de estudo para alunos do ensino superior. A Moção 23/2018 de iniciativa da bancada do PT será assinada por todos os vereadores, que consideraram urgente que o governo do Estado reveja a decisão.

O orçamento aprovado no ano passado para 2018 previa recursos de 162 milhões de reais para o artigo 170 das bolsas de estudo, mas segundo relatório de junho, o orçamento é de 67 milhões, ou seja, desde o início do ano o programa de bolsas de estudo sofreu corte de mais de 94 milhões de reais. “Foi um corte de mais de R$ 117 milhões, o que não é ajuste. Isto vai fazer falta para os alunos, que contam com este suporte financeiro. Por isso a Moção de Apelo”, comentou o vereador Evandro Pegoraro (PT) pedindo para que a região também se mobilize em favor dos estudantes e do ensino superior.

André Rizelo (PT) reforçou as palavras do colega de partido e comentou que a bolsa é importante para os acadêmicos. “Estar na faculdade é um desafio, porque além da mensalidade o aluno tem outros custos. A preocupação é com a evasão e também com a diminuição da carga horária de aulas, para que os alunos possam pagar a mensalidade sem o valor da bolsa”, avaliou.

Edno Gonçalves (PDT) acrescentou que acompanhou o trabalho das Comissões que analisam e fazem a seleção dos acadêmicos que eram beneficiados. “Esta bolsa auxilia em várias porcentagens que variam de 25% e 100% para os alunos. Além disso, tem uma fiscalização eficaz para o cumprimento e do uso dos valores”, destacou ao dizer que além do corte do apoio a esta bolsa, ainda tem a dificuldade para se conseguir o financiamento por meio do FIES.

Fabiano Caitano (PSDB) diz que como professor universitário conhece bem a angústia dos alunos. “O Estado está quebrado e há anos o orçamento estadual vem sendo maquiado. E, agora se precisa fazer caixa, mas espero que não se faça este acerto de contos com o dinheiro da Educação. A bolsa é a esperança de muitas famílias que veem no filho a esperança de um futuro melhor”, destacou.

Caitano também pediu para que o governo do Estado reveja a decisão, já que o Decreto 1.608/2018, anulou as dotações orçamentárias de R$ 271 milhões da Secretaria de Educação, para encargos gerais, sendo R$ 115 milhões era destinados as bolsas de estudo, o que prejudicará 67 mil alunos. “A sociedade precisa saber desta situação”, comentou.

Artêmio Ortigara (PR) manifestou-se em nome da bancada. Disse que a bolsa é fundamental para garantir um maior acesso aos jovens ao ensino superior. “É por meio da educação que vamos mudar o país, então este corte é muito lamentável”, disse.

Valcir Zanella (PSDB) comentou que o corte nos valores das bolsas de estudos fere o sonho de muitos jovens e também de pais que não tiveram a oportunidade de estudar, mas que fazem esforços grandiosos para manter o filho estudando.
 
Claiton Casagrande (PR) comentou que também levará a demanda para as Câmaras da região, por meio da Associação dos Vereadores do Alto Uruguai Catarinense (Avauc).
 
Assunto na pauta estadual
O corte nas bolsas de estudo e para pesquisas repercutiu na última semana na Assembleia Legislativa (Alesc). A pressão é para que a decisão seja revista.
Protocolos desta Publicação:Criado em: 09/07/2018 - 10:37:09 por: Divaleia Salete Casagrande - Alterado em: 09/07/2018 - 10:37:09 por: Divaleia Salete Casagrande

Notícias

Dia do Gaúcho é lembrado na Câmara de Vereadores
Dia do Gaúcho é lembrado na Câmara de Vereadores

Hoje, 20 de setembro, é comemorado o Dia do Gaúcho. A data foi lembrada na Sessão Ordinária, desta quinta-feira, na Câmara de Vereadores de Concórdia. “Ser gaúcho é um sentimento. É preservar tradições e culturas, comentou Fabiano Caitano, que relembrou a influência que teve por parte do pai.

Indicação sugere que município possa repassar recursos para escolas gerenciarem de forma direta para pequenas demandas
Indicação sugere que município possa repassar recursos para escolas gerenciarem de forma direta para pequenas demandas

Facilitar e dar mais agilidade para a direção das escolas municipais e também dos Cmeis de Concórdia com o repasse de recursos que possam ser utilizados para a execução de pequenos reparos nos educandários. Está é a sugestão do vereador Claiton Casagrande (PR) que sugere para que o município possa adotar o modelo de repasse àquele adotado pelo governo do Estado.